Dezirée & Lucca Forever

quinta-feira, maio 1

Paraíba: Mulher macho, sim senhor!




Durante o processo de modernização do século XIX, a mulher tem seu papel definido dentro dos padrões da moral burguesa. Sob os ideais do amor romântico, a mulher passa a ser o alicerce do homem, na construção de sua imagem social. O amor familiar, do marido e dos filhos tem em seu engendramento a figura feminina.
A mulher vem assumindo um importante papel desde a II Guerra Mundial, a partir desse marco, todas as transformações vivenciadas no mundo contemporâneo têm a marca indelével da mulher, o sutil, porém substancioso toque feminino.
A mulher não admite mais a dominação sexual masculina e ambos os sexos seguem sua trajetória, aprendendo a lidar com as implicações decorrentes desse fenômeno.
O filme “Paraíba Mulher- Macho”, retrata a figura de uma mulher bem a frente de seu tempo. Uma mulher que busca no prazer e no amor, uma complementaridade. Alguém que não vislumbra na emoção do seu sentimento, exclusivamente uma estrutura familiar.
Ela quer e vive sua história de amor, não perdendo por isso sua visão de cidadã, tendo consciência que sob seus momentos de prazer, ocorrem transformações históricas importantes na sociedade em que vive.
Em vários momentos do filme, Anaíde Beiriz, aparece escrevendo, explorando suas idéias, tornando públicas suas discussões, dividindo com outras mulheres seus posicionamentos, incitando-as a altercações.
A mulheres só tiveram reconhecimento, enquanto participantes das transformações históricas, apenas a partir de 1960, embora sua luta já tivesse começado há muito tempo.
Anaíde antecipou essa data, tomando as rédeas de sua vida, para viver sob a consciência de sua própria personalidade.
As cenas de prazer são tão fortes quanto fortes eram sua determinação e coragem. Elas evidenciam sua autonomia ao romper com verdades propriamente masculinas, quando secularmente impedia a mulher de viver sua sexualidade, sem culpa.
O filme além de dar a figura feminina um papel de destaque na construção de suas relações pessoais, dá também a possibilidade de vislumbrar na figura de uma mulher que ao viver a sua história de amor, pode ter detonado a gota d´água para um importante acontecimento histórico: a Revolução de 1930.
A maioria dos pesquisadores reconhece que o comportamento dos indivíduos é uma conseqüência das regras e valores sociais, e da disposição individual, seja genética, inconsciente, ou consciente.
Anaíde Beiriz foi uma mulher singular, cuja critica em relação ao seu comportamento tornou-se tão menor, quanto maior foi, é e será seu papel no processo de luta das mulheres.
Sigamos em frente!
Parabéns Anaíde Mulher Beiriz!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget