Dezirée & Lucca Forever

sexta-feira, fevereiro 3

Arev, um conto de vida...


Era uma vez uma vez uma menina que se chama Arev e que desde criança tinha sonhos incríveis e pensamentos mágicos, além de uma capacidade de abstração tão forte que muitas vezes a levava as lágrimas. Desde pequena tinha o hábito de criar histórias imaginárias que a conduzia a um mundo de paz e alegrias. Arev vivia em um lugar simples cujas brincadeiras e brinquedos nasciam da criatividade e do que poderiam encontrar pela frente em suas caminhadas.

Aos poucos foi descobrindo que aquele mundo de tantos divertimentos era algo a parte, ela aprendeu que existia uma coisa chamada realidade. Sua primeira certeza nasceu quando finalmente conseguiu separar as personagens das novelas dos artistas na vida real. Esse jogo de interpretações tirou um pouco do brilho que ela tinha ao assistir suas telenovelas preferidas, embora tenha aceitado de forma madura esse tipo de transposição.

Quando entrou na escola, separada dos irmãos sentiu-se amedrontada e sozinha, mas aos poucos, vencendo suas inseguranças foi sobrevivendo à novidade de estar sozinha em um ambiente desconhecido. À medida que crescia via que os adultos ao seu redor não eram tão felizes como imaginava e passou a observá-los todos os dias. Nesse acompanhamento cotidiano compreendeu que os mesmos exigiam dela comportamentos, falas e gestos bem diferentes daqueles que eles mesmos faziam, isso fez com que ela  aos poucos fosse enfrentando essas imposições.

Arev só queria ter o direito de sorrir livremente e precisava que as pessoas entendessem e respeitassem isso, mas era difícil. Sua família mantinha um véu onde se escondiam muitas frustrações, desamores e medos. Na verdade, alguns deles queriam ter a coragem que ela tinha de enfrentar o mundo através de seus próprios olhos, mas por comodismo, medo e mágoas, foram deixando a vida seguir, amarga e triste. Eles se acostumaram a viver, não vivendo.

Hoje, Arev é uma mulher feita e que a cada dia descobre mais e mais vontades de existir, mais e mais caminhos a escolher, mais e mais vida, embora tenha algumas vezes, que pintar com as mãos calejadas seu próprio arco-íris...

Fênix Forever


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget