Dezirée & Lucca Forever

segunda-feira, maio 30

Nem homem, nem mulher: pessoas...


Ontem um amigo me falou algumas coisas sobre frustrações femininas que me deixaram um pouco atônita. Primeiro porque creio que questões voltadas para as relações de gênero às vezes são mal “enquadradas”.
Gênero enquanto uma construção histórica serviu para desnaturalizar papéis pré-determinados biologicamente e que por um longo período fizeram parte da sociedade. A luta feminista, que segundo alguns estudiosos possui variadas vertentes impulsionou essa nova perspectiva de construção social. A partir daí homens e mulheres puderam se olhar enquanto participantes ativos e/ou rivais de uma sociedade que ainda carregava e carrega em suas “entranhas” cobranças marcantes em relação ao comportamento, tanto masculinos como femininos. Por essa razão ainda escuto muito se falar que homens são exatamente assim... e mulheres são exatamente assim...

É exatamente por isso que em muitos momentos me irrito com generalizações e rótulos. Em nossa conversa meu amigo falou que a mulher não consegue superar frustrações e que as carrega por toda a vida, e que os homens têm a agilidade de driblá-las e recomeçar. Puxa vida! Concordar com esse tipo de afirmação é entender que nós mulheres se não vivermos contos de fadas seremos fatalmente infelizes e amargas por todo o sempre.
Mesquinho isso, não?

Já conheci tanta gente com marcas profundas no peito que sorriem todas às vezes que acordam... Nem sei expressar exatamente quantas dessas pessoas são homens, mulheres ou homossexuais. A única coisa que sei é que são pessoas, que têm suas cicatrizes e que as carregam para que lembrem o que viveram e o que já foram. São PESSOAS!

Sonho que um dia meus sobrinhos e seus filhos tenham o enorme prazer de viver em uma sociedade em que as pessoas sejam respeitadas e admiradas exatamente por suas diferenças. Independente de gênero, credo, etnia ou opção sexual.

As maneiras de lhe darmos com frustrações são pessoais e fazem parte de variadas formas de se encarar a vida, independente dos gêneros.

Shalom!

Fênix Forever


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget